ARTE CHINESA
Os 2 videos abaixo, foram produzidos pela "SOL90audiovisual"
por encomenda da "ASTROLAB motion" para a Série

 


Grandes Civilizações



 

 

Grutas Lung men, china.
Grutas Longmen

Património Mundial: Local Cultural
Registrado em: 2000
Localização: Província de Henan.

As grutas e cavidades de Longmen possuem a maior e mais
extraordinária coleção de arte chinesa das últimas dinastias do Norte,
Wei e Tang (316-907). Estas obras, totalmente dedicadas
à religião budista, representam o ponto máximo
da escultura chinesa em pedra.

Característica Notável: Esculturas budistas do século IV ao século X.

 

Jarro azul e branco com 10 mil caracteres que significam "vida longa", do período Kangxi (1662/1722), feito de porcelana.

 


Manto amarelo em seda do
imperador Qianlong (1736/95),
usado em cerimônias,
uma rara peça do período.

A legislação que atualmente regula os direitos autorais no Brasil é a
lei 9.610, de 19 de fevereiro de 1998.
Audiovisual para fins pedagógicos, científicos, tem uma
redução da proteção do titular de direito em favor da sociedade que é usuária.
Sobre o :

Portal criado em 1999 com o intuito de tornar a arte mais fácil e prazerosa de se conhecer. Pretendemos atingir todos os públicos, de todas as idades, através de vídeos, ilustrações, textos e todos as midias futuras que vierem a ser acessíveis.

Pesquisamos em diversas fontes e fazemos um mix das informações, sempre verificando e comparando as mesmas para dar autenticidade ao nosso conteúdo.

Todo o conteúdo aqui encontrado é gratuito e livre para compartilhar de acordo com a especificação de cada autor e obra.

Obrigado por sua visita
Equipe Portal Darte
 
 

ARTE CHINESA

 

 


Monumento da
China imperial de 1787.

Essa montanha de jade representa
a concepção chinesa de montanhas
como lugares de contemplação,
imaginação e metáfora.


 


A China tem a mais longa tradição cultural do mundo, com uma história contínua de mais de 3.000 anos. A cultura chinesa conheceu uma notável longevidade e expansão geográfica que remonta pelo menos ao terceiro milênio antes de Cristo, altura em que este povo se concentrava na região do Rio Amarelo.

A periodização da civilização chinesa foi estabelecida através das diferentes dinastias que governaram a nação, desde as precursoras Shang (1650 a.C.-1027 a.C.), cujas produções culturais se enquadram no período do bronze e Zhou (1027 a.C.-256 a.C.).

 


Foi durante a época Tang (618-907 d. C.) que o país atingiu a maior dimensão territorial de toda a sua história. Seguiram-se a Época Sung (960-1279), a dinastia Ming (1368-1644) e o período Qing ou Manchu, que correspondeu à última dinastia imperial (1644-1911).

Caracterizada pela serenidade e permanência das formas expressivas e pela rigidez de valores estéticos, a cultura chinesa procurou sempre, através das suas realizações artísticas a harmonia com o universo.

 


Com a abertura da cultura chinesa ao exterior, verificada durante a dinastia Ching tornou-se evidente, em paralelo com a exportação de artefatos artísticos para todo o mundo ocidental, a apropriação pela China de outras linguagens estéticas.

A arte chinesa é significativa não apenas pela beleza, mas também porque foi a maior fonte de inspiração para todo o Oriente - Japão, Coréia, Tibete, Mongólia, Indochina e Ásia Central.

 


A Europa também deve à China muitos dos seus impulsos artísticos, bem como a introdução de variadas técnicas, principalmente na cerâmica e na tecelagem.

A postura em relação às artes apresentava muitas diferenças entre a China e o Ocidente. O amador erudito, por exemplo, tinha geralmente um status mais elevado do que o profissional, e não havia distinção entre belas-artes e artes aplicadas. Na verdade, a caligrafia na China há muito tempo já era considerada a mais nobre das artes.

 



Vaso decorado
Período Neolítico de Yang-shao

 



 

 




Roupa de Sacerdote Budista.
Roupa de sacerdote budista
para cerimônias imperiais, século 18.

 


 



Essa pintura faz parte da série de doze mulheres desenhadas de acordo com as quatro estações do ano.

Esses quadros foram feitos para o príncipe Yinzhen, o futuro imperador Yongzheng.

O reinado de Yongzheng ficou famoso pelas peças de porcelana produzidas no período.


 




Recipiente pintado em esmalte e é
do período do
imperador Yongzheng (1723/35).

 



Cetro Imperador Qianlong (1736-1795).
Cetro

Cetro do período do imperador Qianlong (1736/95), em madeira e com enfeites de jade e outras pedras, marfim e ouro.

Qianlong era um colecionador que garantiu que seus bens fossem ilustrados em catálogos elaborados. Na exposição, juntamente com antigüidades e objetos preciosos, haverá exemplos da caligrafia do imperador.

Qianlong recebeu o cetro da imagem ao lado como um presente.

 



Frasco decorativo em bronze,
do período Qianlong (1736/95).


 




Retrato do imperador Kangxi
feito por um artista anônimo
no final do período Kangxi (1662/1722).

 




Ilustração

Pintura retirada do álbum do imperador Yongzheng.

Essas ilustrações, feitas por artistas anônimos, retratam palácios imperiais, expedições de caça ao norte, longas jornadas feitas para o sul da China e cenas da vida privada dos imperadores.

Elas ressaltam o interesse em mostrar a paisagem da época, montanhas, rios, pássaros e flores.

Os dragões também eram um símbolo bastante recorrente nas artes chinesas.

 



Referências:
http://www.geocities.com/artechinesa
http://www.chinaonline.com.br

http://www.bbc.co.uk/portuguese

 



Volte logo.

 





Em breve mais conteúdo com imagens sobre este assunto.

 




TOPO

 

 

Mapa do Site www.portaldarte.com.br Home
©1999/2012 Portal D'arte. Todos os direitos reservados.