ARTE ROMANA
Os 2 videos abaixo, foram produzidos pela "SOL90audiovisual"
por encomenda da "ASTROLAB motion" para a Série


Grandes Civilizações



ARTE ROMANA

Arte Romana


O sentido prático da vida não impediu os romanos de apreciarem a beleza daquilo que os cercava. Ao contrário, eles estavam atentos ao aspecto estético das coisas e foram grandes artistas.

A legislação que atualmente regula os direitos autorais no Brasil é a
lei 9.610, de 19 de fevereiro de 1998.
Audiovisual para fins pedagógicos, científicos, tem uma
redução da proteção do titular de direito em favor da sociedade que é usuária.
Sobre o :

Portal criado em 1999 com o intuito de tornar a arte mais fácil e prazerosa de se conhecer. Pretendemos atingir todos os públicos, de todas as idades, através de vídeos, ilustrações, textos e todos as midias futuras que vierem a ser acessíveis.

Pesquisamos em diversas fontes e fazemos um mix das informações, sempre verificando e comparando as mesmas para dar autenticidade ao nosso conteúdo.

Todo o conteúdo aqui encontrado é gratuito e livre para compartilhar de acordo com a especificação de cada autor e obra.

Obrigado por sua visita
Equipe Portal Darte
 
 


ARTE ROMANA


Curta-metragem produzido por acadêmicos de Design Gráfico da Faculdade Atual da
Amazônia
com o objetivo de expor um resumo do que era a Arte da Roma Antiga.

Mosaico "Alexandre se encontra com Dariao III.

 

O sentido prático da vida não impediu os romanos de apreciarem a beleza daquilo que os cercava. Ao contrário, eles estavam atentos ao aspecto estético das coisas e foram grandes artistas.

 


Basta observar as ilustrações reproduzidas nestas páginas para se constatar a preocupação que a civilização romana tinha com a arte.

 


Na verdade, porém, em sua origens, a arte foi, para os antigos romanos, um "item" da pauta de importações, ou seja, uma espécie de artigo de luxo que vinha de fora.

 


Foi, de fato, após a conquista da Grécia, no ano 146 a .C., que se verificou, no campo das artes, uma verdadeira injeção de vitalidade e beleza.

 


Tanto que um severo político da época, o respeitadíssimo Catão, conhecido como "o Censor" , lamentou o novo estado de coisas: "A Grécia, ainda que tenha sido conquistada, acabou por conquistar seu orgulhoso vencedor e introduziu a arte no rude Lácio..."

 



Catão, do mesmo modo que muitos outros austeros cidadãos romanos, teria preferido que seus conterrâneos continuassem simples e despojados como nos primeiros tempos.

 




Mas o romanos, nesse campo como em outros, deram provas do seu decantado realismo: da arte grega tomaram e assimilaram os elementos que mais bem se adaptavam ao seu temperamento e às suas necessidades, a exemplo do que tinham feito antes com a arte etrusca e do que fariam posteriormente com a arte oriental.

 


E fizeram-no com bom senso e com bom gosto.
Naturalmente, em suas produções artísticas, os aspectos predominante são essencialmente técnicos e práticos.

 


Nesse sentido, a arquitetura, onde o elemento estético, o belo, mais bem se concilia e se funde com os aspectos utilitário e funcional, foi a forma de arte preferida pelos romanos, que criaram edifícios característico e originais, destinados a permanecer.

 


Entre eles destacam-se as pontes e aquedutos (alguns dos quais estão ainda em funcionamento), termas e basílicas (que se eternizaram na arquitetura cristã).

 


Enfim, pode-se afirmar que os romanos, ainda que conquistadores no plano militar, foram conquistados no plano artístico, mas conseguiram ir além da mera cópia; ao contrário, desenvolveram suas formas próprias e legaram-nas às civilizações que os sucederam.

 


O anfiteatro é uma construção típica da arquitetura romana, onde se realizavam sobretudo lutas de gladiadores.

 



Essa construção, como se pode observar no corte à direita, é contituída por uma arena central, geralmente elíptica, destinada aos espetáculos e às lutas e cricundada por um muro (podium), a partir do qual se estendem as arquibancadas reservadas aos espectadotes (cavea).

 



O acesso às arquibancadas se fazia através de escadas internas e corredores que desembocavam em túneis (vomitoria). Em torno da arena e sob ela ficavam as áreas reservadas aos gladiadores, às feras e à parte de serviço da grande construção.

 



Uma imensa tela (vomitoria), fixada em pilastra colocadas no alto do anfiteatro, protegia os espectadores da chuva e do sol. O anfiteatro mais antigo de que se tem notícia é o de Pompéia (ano 80 a .C.), construído sobre um vala natural.

 




Pouco a pouco essas construções começaram a assumir características sustentadas por arcadas duplas (como o anfiteatro de Nîmes, na França), ou triplas (como o anfiteatro de Verona).

 



Seguindo essas características chegaram a ter quatro andares sobrepostos (como o famoso Coliseu de Roma, cujo recinto podia abrigar 60 000 espectadores).

 



Texto de referência:

Conhecer 2000 publicada pela editora Nova Cultural
ano 1995.

Textos complementares:

Sites Nacionais e Internacionais relacionados ao assunto.

 


Imagens:

Figuras retiradas da Internet em sites Nacionais
e Internacionais, encontradas através
de sites de busca.

 

 





 

 

Mapa do Site www.portaldarte.com.br Home
©1999/2012 Portal D'arte. Todos os direitos reservados.