22/05/2011 01h11 - Atualizado em 24/05/2011 07h40

 

Arte em diálogo com a natureza

Com obras expostas em meio à paisagem de ilha no Japão, projeto de Tadao Ando é inspirado em Claude Monet


Por: Marco Giannotti - O Estado de S.Paulo
Tadao Ando

A passagem do tempo pode ser sentida no Japão através das estações, onde mudanças são visíveis e cultivadas pela prática milenar da jardinagem; quando a vegetação é minuciosamente planejada para se destacar tanto na primavera como no outono. Além do paisagismo, a arquitetura permeia a relação do homem com a natureza. O Japão tem uma longa tradição no preparo da madeira e do papel de arroz a fim de construir ambientes que dialoguem com as estações. Em muitos templos zen é possível encontrar um grande pátio que se abre para fora, permitindo a contemplação da natureza. Obviamente, apenas os nobres tinham esse privilégio do ócio, pois quando se trabalha arduamente no campo essa experiência é impraticável.

Da mesma forma que as estações renovam a natureza, a arquitetura também deve se renovar. Alguns templos xintoístas são inteiramente reconstruídos a cada 30 anos, pois "até os deuses gostam de uma casa nova". Contudo, após o intenso processo de reconstrução do país depois da Segunda Guerra Mundial, a harmonia entre o homem e a natureza sofre um abalo sísmico tremendo, pois a especulação imobiliária intensa abalou a relação harmônica das cidades com a paisagem. Em Osaka, onde nasceu o célebre arquiteto Tadao Ando, a cidade ficou como São Paulo, cortada por viadutos que a deixam fragmentada.

fonte: O Estado de São Paulo.

 

 

 

O escritor Haruki Murakami diz que a cidade moderna no Japão se parece como a boca de uma criança na troca de dentes. Uma mesma avenida, ao longo do seu percurso, pode apresentar lojas de alto luxo ao lado de plátanos como nos Campos Elísios em Paris, para, em seguida, se tornar um local sujo de revenda de computadores.
Namba Parks, Osaka, Japão
Fotos pesquisa sites de busca


Ao procurar um refúgio, um parque na cidade, me deparei com um shopping de oito andares chamado Namba Park, que tem apenas no terraço suspenso um pequeno jardim pré-moldado. Se no canal Dotombori é possível percorrê-lo como se estivéssemos em Veneza, infelizmente as fachadas, além de feias, não se voltam para o canal. A experiência só se torna instigante durante a noite, devido aos painéis luminosos eletrônicos que fazem a cidade pulsar.

Resgatar a "experiência perdida com a natureza" não é fácil nem aqui, nem no Brasil. Os espaços preservados sempre estão ameaçados. Certa vez, ao visitar a Casa das Canoas de Niemeyer, fiquei surpreso ao ver uma pedra imensa perpassar a sala até a piscina. Talvez o primeiro a explorar essa relação tenha sido Frank Lloyd Wright que, por sua vez, sempre manteve forte relação com a arquitetura japonesa. A casa foi projetada em 1951 e suscitou polêmica entre os arquitetos: li uma nota de Niemeyer ridicularizando Gropius, que o havia criticado pelo fato de sua casa não ser reprodutível! Mas o que torna esse projeto fascinante é justamente sua implantação no sítio. Niemeyer nos diz que sua "preocupação foi projetar essa residência com inteira liberdade, adaptando-a aos desníveis do terreno, sem o modificar, fazendo-a em curvas, de forma a permitir que a vegetação nelas penetrasse, sem a separação ostensiva da linha reta".

i
Casa das Canoas - Oscar Niemeyer

A Casa das Canoas é um dos exemplos mais perfeitos de como Niemeyer consegue integrar o projeto ao entorno, e é uma pena que a ampliação desordenada da favela vizinha na floresta acabe colocando em risco a preservação da casa e do jardim. Em sua parceria com o grande paisagista Burle Marx, essa preocupação em harmonizar a arquitetura com a natureza se manteve constante. Brasília, porém, altera essa situação, pois o cerrado deveria ser ocupado de maneira distinta graças às suas peculiaridades naturais. "Coube a Lucio Costa, o arquiteto brasileiro mais erudito do século, e a Oscar Niemeyer, o mais habilidoso, dar-lhe forma. Apartada da natureza, a "sua" Brasília ao mesmo tempo que prolongou um modo "tradicional" de lidar com o território no Brasil, inventou os meios de se pensar uma nova natureza construída. Nas palavras de Costa: "Ao contrário das cidades que se conformam e se ajustam à paisagem, no cerrado deserto e de encontro a um céu imenso, como em pleno mar a cidade criou a paisagem".

Brasil. Com o advento das novas metrópoles, a única maneira de resgatar uma relação "bucólica" com a natureza e a arte talvez seja se refugiar em sítios distantes. No Brasil, temos o exemplo de Inhotim, localizado perto de Belo Horizonte, que exibe suntuosos jardins com obras de arte instaladas ao seu redor, bem como nos edifícios especificamente construídos para abrigar obras de arte contemporâneas. O espaço concebido pela iniciativa privada se torna público ao permitir o acesso de todos. Em uma visita durante o fim de semana, notei um grande fluxo de público, inclusive com pessoas simples, o que demonstra o sucesso do empreendimento.

Abóbora Salpicada * Yayoi Kusama

Aberta, em 1992, Benesse House é a instalação do núcleo de 'Benesse Arte Site Naoshima com a missão declarada de promover o conceito de arte e arquitetura convivendo em harmonia com a natureza. O edifício principal, projetado por Tadao Ando está localizado em um platô no lado sul da ilha, de frente para o mar interior, o museu é espaçoso, com espaços projetados para que os visitantes sempre sentido uma natureza quente e envolvente.
Dotted Pumpkin by Yayoi Kusama

Um dos projetos mais complexos de Tadao Ando é justamente um projeto dessa natureza: A Benesse Art Site surgiu a partir da iniciativa privada em 1989 em uma ilha chamada Naoshima. O projeto atualmente engloba três museus com hotéis vicinais e algumas obras de arte expostas na paisagem e na cidade. Para Ando, a relação com a natureza parece ser o leitmotiv, a pedra de toque de seu projeto. Mas, cabe indagar, que natureza? Embora situado magistralmente no topo da ilha e oferecer uma vista deslumbrante, o projeto arquitetônico é muito mais impactante quando se volta para o interior, no diálogo entre as paredes de concreto e os jardins internos de inspiração zen. Nesse momento, a natureza exterior parece suspensa, o que importa é o diálogo controlado entre luz, pedra, concreto, planta, e musgo. "Construo espaços fechados principalmente por meio de grossas paredes de concreto. A razão principal é criar um lugar para o indivíduo, um lugar para si na sociedade. Quando os fatores externos do ambiente de uma cidade exigem que se faça uma parede sem aberturas, o interior deve ser pleno e gratificante... Algumas vezes as paredes manifestam um poder que chega a ser violento, pois têm poder de dividir espaços, transfigurar o lugar e criar novos domínios. As paredes são um dos elementos mais básicos da arquitetura e um dos mais gratificantes."

Museu Chichu * Naoshima, Kagawa, Japão




O museu Chichu é seu projeto mais ousado justamente por essas características, e o próprio nome é sintomático, pois remete à ideia de um bunker construído no interior de uma montanha. Tadao Ando afirma que fez isso justamente por respeito à natureza, não desejando fazer um projeto que violentasse a relação entre montanha e mar, algo que, infelizmente, ocorre com grande frequência no nosso litoral. O projeto é magnífico e oferece uma experiência peripatética, ao andar pelos corredores, temos o impacto da luz incidindo nas diversas superfícies do espaço. O motivo que inspirou a construção do museu foram as ninfeias de Claude Monet.

A pintura ao lado, chama-se 'O Lago das Ninféias' (1903).
A ponte japonesa do jardim de Giverny foi retratada diversas vezes por Monet, em diferentes ângulos ou condições de luz. Sob a ponte em formato de arco aparecem mais uma vez as ninféias, plantas aquáticas semelhantes à vitória-régia. Para quem observa, as pinturas dessa base provocam uma sensação de leveza e relaxamento. Mas, para Monet, elas significavam muitas horas de trabalho duro.
"É quase impossível pintar água com plantas ondulando", diria ele a um amigo.
"É muito agradável quando você observa, mais dificílimo para pintar. No entanto, eu continuo insistindo. Essas paisagens aquáticas tornam-se uma obsessão. Preciso transmitir o que sinto."
E aí está a força da tela. Monet conseguia transmitir para seus espectadores essa sensação agradável.  O suor de conseguir a percepção de cada detalhe, de cada ondulação suave das plantas na água o contorno furtivo da ponte, tudo está presente no quadro.

74 cm x 106,5 cm -
Óleo sobre tela -
Nova York (EUA)


Aluna: Isabela Bisinoto - Prof.: Wanice Facure - 9º ano - Colégio opção 27/04/2011

O museu apresenta cinco obras, sendo que uma é de grande dimensão e faz parte da famosa série de pinturas que Monet em 1926 deixou como seu legado no museu de Orangerie em Paris. Monet é reverenciado por aqui, pois sua obra é a que mais revela o espírito japonês no Ocidente. Em busca de um motivo para a sua pintura, o pintor construiu em Giverny um jardim artificial com lagos e ninfeias onde colocou, inclusive, uma ponte japonesa.

Lago Museu Chichu * Naoshima, Kagawa, Japão

Tadao Ando planejou uma sala impecavelmente branca, com paredes curvas, como em Orangerie, mas com a delicadeza japonesa dos detalhes. Entramos em uma sala com luz zenital, o chão é recoberto com teceras de mármore italiano. É preciso entrar com pantufas, para não sujar o ambiente, que se assemelha mais a um templo do que a uma sala de exposição: estamos diante de um espetáculo da natureza... pictórica! Os artistas contemporâneos que fazem contraponto a Monet são artistas internacionalmente reconhecidos pelo seu trabalho de instalações na natureza, a chamada Land Art.

Museu Chichu * Naoshima, Kagawa, Japão

No Chichu Museum, Walter de Maria instalou em uma escadaria especialmente concebida para o projeto uma enorme esfera negra de dois metros de diâmetro. Além disso, em todas as paredes da sala foram aplicadas barras laminadas de ouro em relevo. A esfera reflete todo o espaço interno e temos a impressão de estar numa sala devotada a algum culto misterioso.


"Time/Timeless/No Time," by Walter De Maria, 2004




James Turrell

No museu, James Turrell, por sua vez, trabalha eminentemente com cor e luz ao provocar no espectador sensações fisiológicas fascinantes e perturbadoras. O vão de uma sala é projetado com uma luz azul tão intensa que temos a sensação de estarmos diante de uma passagem para outra instância espiritual. Em ambos os casos, a experiência direta da natureza é colocada em suspenso, chegamos até a esquecer que estamos em uma ilha no Japão, pois todo conjunto almeja transcender o tempo e o espaço. Outro artista importante para Ando é o fotógrafo Hiroshi Sugimoto.


No 61 Mark Rothko
Elisabeth Taylor * Hiroshi Sugimoto
Drive-In Theaters & Portraits
8 November – 20 December 2008
Hemphill Fine Arts
Washington, DC

Hiroshi Sugimoto (Japanese, born 1948): Diana, Princess of Wales, 1999.
Gelatin-silver print,
edition of 5, 58-3/4 x 47 in.
©2000 Hiroshi Sugimoto.
Courtesy Hiroshi Sugimoto

Limiar. No museu Benesse é possível ver várias imagens em preto em branco que retratam o limiar entre céu e mar, imagens que remetem às últimas pinturas de Mark Rothko, em que o sublime é novamente colocado em questão.


The Oval’ Benesse Arts Museum-Naoshima: Tadao Ando

Sua obra é ainda mais fascinante dentro do hotel, em uma sala reservada para os nobres hospedes, onde imagens muito escuras aos poucos se revelam ao observador: a imagem de uma floresta noturna, a imagem de uma capela projetada por Ando que revela uma da cruz em contraluz. Podemos notar em todos esses casos um embate constante entre exterior e interior, o nosso espaço interior e o mundo que vemos à nossa volta.


Será que a arquitetura contemporânea procura resgatar esse diálogo com a natureza mediante essa experiência interna, fechada? Uma das respostas possíveis pode ser dada pelo Museu Brasileiro de Escultura, projetado por mais um ganhador do prêmio Pritzker, Paulo Mendes da Rocha. Inicialmente concebido para ser um museu sobre arte e paisagismo e abrigar um jardim, o museu se fecha para o exterior. De fato, é possível sentir mais a presença da natureza nas marcas e ranhuras do concreto do que no tímido jardim ao seu redor.


MuBE - Museu Brasileiro de Escultura
Avenida Europa, 218 – Jardim Europa
São Paulo
(0xx)11 2594-2601

 

MARCO GIANNOTTI, ARTISTA PLÁSTICO, ESTÁ NO JAPÃO COMO PROFESSOR-VISITANTE DA UNIV. DE KYOTO


 
A legislação que atualmente regula os direitos autorais no Brasil é a
lei 9.610, de 19 de fevereiro de 1998.
Audiovisual para fins pedagógicos, científicos, tem uma
redução da proteção do titular de direito em favor da sociedade que é usuária.
 


Sobre o :

Portal criado em 1999 com o intuito de tornar a Arte mais fácil e prazerosa de se conhecer, para todos os públicos, de todas as idades, através de vídeos, ilustrações e textos.

Pesquisamos em diversas fontes e fazemos um mix das informações, sempre verificando e comparando as mesmas para dar autenticidade ao nosso conteúdo.

Todo o conteúdo aqui encontrado é gratuito e livre para compartilhar de acordo com a especificação de cada autor e obra. A partir de Janeiro de 2011 começamos a contar com a ajuda, através dos conteúdos dos internautas, apaixonados por arte, dos mais diversos cantos do Brasil e do Mundo.

Seus
videos, slides, textos, áudios e tudo mais que vocês, artistas anônimos da web, puderem contribuir, será bem vindo, para este portal abranger cada vez mais estilos e culturas diversas.

Nós estamos aqui dispostos a colocar tudo de forma organizada e bem distribuida dentro do Portal. Contamos com a ajuda de todos neste projeto.

Obrigado por sua visita.
Equipe Portal Compre Arte.

 
Você pode colaborar com este projeto. Contribua com qualquer quantia clicando em um dos botões ao lado:
 
Mapa do Site www.portaldarte.com.br Home

©1999/2011 Portal D'arte. Todos os direitos reservados.